Buscar
  • leopmporto

8 dias com os índios gigantes

Tive a oportunidade de passar 8 dias com o Povo Panará, esses que agora chamo de amigos. Foi no governo ditatorial, em 1973, por meio do projeto de integração do territorial nacional que levou à cabo a criação da rodovia Cuiabá-Santarém, quando se teve o primeiro contato com o Povo Panará, esse foi início de uma triste história que dizimou grande parte do povo conhecido como os índios gigantes.


Os Panará que sobreviveram foram removidos para o Parque do Xingu, local adverso ao que estavam habituados, sem se adaptar foram outra vez removidos para a Aldeia Kretire, dos Kayapó, seus inimigos históricos, um ambiente totalmente hostil e que levou à morte mais indígenas Panará, restando apenas 69 em 1975.


Recente, o triste passado ainda se impõe sobre o Povo, através de muitos desafios, que de maneira incrível lutam para superar. Eles, que hoje medem 1,67m (em média) com um sorriso no rosto atestam seu título de grandeza, resilientes, guerreiros, um povo que não se cansou, e nem desistiu de sonhar.


Aprendi com a simpatia, com o bom- humor, e como é possível enfrentar os diversos problemas da vida de maneira resiliente e com um sorriso no rosto. Os Panará são de fato gigantes!




1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Relações líquidas é uma ideia do sociólogo polonês Zygmunt Bauman que utiliza a metáfora dos estados físicos das substâncias para pensar as relações sociais. Para entender a complexidade do assunto é

Terça-feira, sete de setembro, independência, verde e amarelo, treze e gritos de “fora”, um dia, uma época polarizada. A polarização tem duas consequências: a coesão entre um grupo e a intolerância em